"Não se conhece o homem por sua animação, mais pela quantidade de sofrimento verdadeiro que ele é capaz de suportar!..." (Charles Thomas Studd)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Escatologia Analise de Textos Escatologicos V.

http://sheimonphn.blogspot.com


Seminário de Escatologia
Parte V
Análise de textos Escatológicos
Introdução ao estudo da 5ª e última parte


Amados irmãos, estamos finalizando o nosso seminário de escatologia; nesta quinta e última parte você aprenderá a localizar alguns textos do Antigo e do Novo Testamento dentro do contexto escatológico. Nosso objetivo não é o de fazer a exegese de todos os textos, mas sim o de ensinar aos irmãos a compreenderem em que contexto escatológico eles estão inseridos; bem como dar condições aos irmãos de, ao se depararem com uma profecia bíblica, saberem se ela está se referindo à Israel ou à Igreja, ou ainda diferenciarem se o texto está falando do milênio, arrebatamento, segunda vinda e outros períodos escatológicos.

Esta parte, somada as anteriores, encerra o nosso programa de estudos escatológicos. Apesar de ser composta de apenas duas aulas, as informações nelas contida, aliadas aos estudos de escatologia geral, história de Israel, análise de Daniel e análise de Apocalipse; completam o nosso seminário dando uma visão bem ampla e profunda do tema estudado ao longo destes dois anos.

Bom estudo, e que o Senhor Jesus abençoe a todo aquele que ama a sua Palavra e aguarda a sua vinda!

Pr.  Ricardo Correia de Mattos





























Seminário de Escatologia
Parte V
Análise de textos escatológicos
Aula nº 1
A escatologia no Antigo Testamento


I- Introdução:
Queridos irmãos; nesta aula estaremos falando sobre a escatologia no Antigo Testamento, entretanto, para que possamos entender o assunto da nossa aula, bem como o da próxima, é necessário falarmos um pouquinho sobre a profecia Bíblica.

II- A Profecia Bíblica:
A princípio, em um sentido mais amplo, toda Escritura, tanto do Antigo como do Novo Testamento, também é chamada de profecia (não confundir profecia com o dom de profetizar). Veja os textos de II Tm 3.16,17; II Pe 1. 20,21.
Podemos dizer que “Profecia” é a mensagem de Deus; a Palavra do Senhor escrita ou expressa verbalmente sob a inspiração divina do Espírito Santo. A profecia declara os propósitos de Deus; e não apenas se refere ao futuro, mas também admoesta ou reprova o iníquo, consola e exorta os santos e refere-se à vontade de Deus. A profecia revela coisas escondidas, especialmente pelo prenunciar dos eventos futuros.

III- A profecia no Antigo Testamento
Para que possamos entender perfeitamente os textos escatológicos no AT; devemos observar que as profecias eram dirigidas diretamente à Israel e não à Igreja, visto que a mesma ainda não existia; os profetas falaram para a nação de Israel.
Os profetas do Antigo Testamento não tinham o conhecimento com a mesma profundidade que possuímos hoje, haja vista o Espírito ter sido dado a eles por medida e a nós em sua plenitude. Soma-se também a isto o fato de termos em nosso auxílio a história, que nos mostra o cumprimento de várias profecias e a arqueologia e outras ciências verdadeiras que comprovam o relato bíblico.
Muitos mistérios estavam ocultos aos olhos dos profetas do Antigo Testamento e lhes foram revelados em parte, um exemplo disso se refere a Igreja, o Corpo invisível de Cristo (Ef 3.8-10; Cl 1.24-27). Os profetas não sabiam com exatidão a respeito da Igreja, mas a salvação pela fé e a maravilhosa graça do Senhor já haviam sido anunciadas em vários textos, como por exemplo, Gn 15.1-6.
Podemos observar ainda de forma clara a diferença entre o Antigo Testamento e o Novo Testamento na forma que Deus trata a profecia revelada a Daniel e a João no Apocalipse.
Para Daniel, o Senhor disse:
Daniel 12:4  “Tu, porém, Daniel, encerra as palavras e sela o livro, até ao tempo do fim; muitos o esquadrinharão, e o saber se multiplicará.”.
Para João, o Senhor disse:
Apocalipse 22:10 “Disse-me ainda: Não seles as palavras da profecia deste livro, porque o tempo está próximo.”

Porque devemos então estudar as profecias do Antigo Testamento? Simples:
1º - Ensino e exemplo para a Igreja (I Co 10.11,12).
2º - Esclarecem o plano de Deus em relação a Israel e a Igreja, mostrando o papel de cada um e a diferença das promessas feitas a Israel e a Igreja.
3º-  Mostram a soberania e a fidelidade de Deus.
4º - A observação dos textos proféticos do Antigo Testamento serve de ânimo e consolo para a nossa alma, pois se muitas promessas de Deus já se cumpriram com exatidão, certamente que as restantes também se cumprirão a seu tempo.
5º-  Revelam que o desfecho de todas as coisas ocorrerá em breve. 

IV- O teor escatológico da profecia do Antigo Testamento
Os profetas falaram sobre a vinda do Messias, sua obra, sua morte expiatória, sua ressurreição e o seu reino. Quanto a Israel; eles profetizaram sobre a apostasia da nação, o cativeiro, o retorno, a dispersão, o ressurgimento da nação e a sua futura conversão e posição no reino de Cristo.
Podemos concluir, portanto, que os textos escatológicos do Antigo Testamento se referem literalmente a Israel e ao reino milenar de Cristo, embora possamos, em termos práticos, aplicar vários textos a Igreja.
Exemplo: Em Isaías 55.1-13, o Senhor convida Israel a tomar parte da sua graça maravilhosa, ele chama a nação ao arrependimento. Literalmente o texto é dirigido a Israel, note bem o versículo cinco; a nação rebelde é Israel que rejeitava ao seu Senhor. Entretanto, podemos aplicar sem erro o texto também a Igreja, visto que aceitamos ao convite da graça feito por Cristo.
De posse destas informações importantes, vejamos alguns textos...

V- A escatologia do Antigo Testamento (Analisando alguns textos do Antigo Testamento)

A)- Muitas profecias se cumpriram em relação a vinda do Messias; selecionei alguns textos:

Gn 3.15- Seria um homem, ou seja, um homem venceria a Satanás!

Gn 49.9-12- Viria da tribo de Judá.
Sl 1.1, 6-8, 13-18, 28,30,31- Seu sofrimento na cruz e o resultado de sua morte.

Is 7.14- Nasceria de uma virgem

Is 11.1,2- Descendente de Davi e habitará nele a plenitude de Deus

Is 9.1,2- Seu ministério na Galiléia

Is 9.6- Seria entregue pelo Pai.
Sua humanidade, filiação divina e autoridade, reveladas através do seu nome poderoso.

Is 52.13-15; 53.1-12; 61.1-3- Sua obra
Obs: O texto de Is 61.1-3 foi lido pelo próprio Senhor em uma sinagoga de Nazaré (Lc 4.16-21).

Mq 5.2- Nasceria em Belém

Zc 9.9- A entrada triunfal do rei em Jerusalém

Zc 11.12,13- A traição

O Messias viria para Israel, mas seria rejeitado.
Pelos pactos feitos por Deus com Abraão e Davi, sabemos que o reino do Messias precisa acontecer, entretanto Israel necessita ser purificado das suas iniqüidades primeiramente.
As profecias tratam do agir de Deus em relação ao seu povo até a conversão e restauração do mesmo.
O livro com maior teor escatológico do Antigo Testamento é o de Daniel; este livro essencialmente profético foi analisado separadamente na terceira parte do nosso estudo e trata do futuro da nação, em especial do período da Grande Tribulação, a Volta do Messias e a implantação do seu reino milenar. Repare que em Daniel, a Igreja está em oculto. (vide apostila nº 3, análise de Daniel. Para adquirir a apostila, entrar no site: www.igrejasementedavida.com.br , ou solicitar pelo e-mail: prricardocmattos@hotmail.com )
Os outros textos escatológicos se referem sempre ao futuro de Israel e ao reino milenar.

B)- O seu reino milenar foi profetizado, bem como a restauração final de Israel:

Is 11.1-10; 65.17-25- Neste reino não haverá mal algum. Jesus reinará e o seu reino será justo. A ferocidade dos animais será retirada, a Terra será reconstruída e Jerusalém será a capital das nações; quem praticar o mal morrerá, visto que não poderá haver mal algum no seu reino; os homens terão a “idade das árvores”.

Is 66.7-9- Criação do Estado de Israel (cumpriu-se em 1948).

Ez 37.1-10-A restauração espiritual de Israel em duas fases. Primeiramente o retorno e ressurgimento da nação, porém sem vida espiritual (já aconteceu). v.1-8
Depois a restauração espiritual; a plenitude do Espírito será dada também aos judeus. v.9,10
Obs: Entre os versículos 8 e 9 encaixa-se o arrebatamento da igreja e a tribulação para Israel, quando serão purificados os judeus para que se convertam e recebam a plenitude do Espírito.

Zc 8.22,23- Israel será a principal nação da Terra.

Zc 9.16, 10.6,9,10- Salvação, retorno e restauração de Israel.

Zc 12.1-14- Armagedom, volta de Jesus e arrependimento de Israel.

Zc 13.8,9- Purificação na tribulação, salvação do remanescente e arrependimento.

Zc 14.1-21- Tribulação, volta de Jesus e milênio.

C)- O texto de Joel 2.28-32
Deixei este texto por último para mostrar aos amados como realmente as profecias escatológicas no Antigo Testamento se referiam à Israel.
Muitos usam esta passagem como se o profeta estivesse se dirigindo à Igreja; na verdade ela se aplica em parte à Igreja, no entanto, literalmente e na íntegra, o texto é dirigido à Israel.
Joel estava profetizando para Israel, basta olhar o contexto inteiro do livro. O livro fala sobre o arrependimento nacional e as bênçãos decorrentes deste arrependimento.
O derramamento do Espírito viria sobre a nação de Israel. Repare que este derramamento é acompanhado de sinais (v.30,31) e está ligado a volta do Senhor e ao arrependimento de Israel (v. 32).
Quando Pedro cita esta passagem em At 2.15,16 referindo-se ao Pentecostes, ele está querendo dizer o seguinte:
Isto que vocês estão presenciando é o que foi dito que seria dado a vocês, o Espírito foi concedido aos gentios que creram em Jesus; este era o Messias prometido a Israel, entretanto vocês o rejeitaram, portanto a plenitude do Espírito que foi dita por Joel veio primeiramente sobre a Igreja e não sobre vocês. Somente através de Jesus podemos obter o perdão dos pecados e recebermos a plenitude do Espírito Santo.
Israel somente receberá a plenitude após o arrebatamento da Igreja, esta plenitude será antecedida de muitas lutas, acompanhada de sinais e da volta do Senhor.

VI- Conclusão:
A escatologia do Antigo Testamento tem como alvo principal a nação de Israel. Os profetas falaram sobre a vinda do rei (Jesus), seu nascimento, obra, morte, ressurreição e reino. Falaram sobre os planos de Deus para com Israel e o futuro arrependimento e restauração da nação; mostraram Israel como cabeça das nações no reino do Messias e a plenitude do Espírito sendo derramada.
Estes textos deixam claro o quanto Deus é fiel e soberano, sendo um exemplo e consolo para a Igreja, além de mostrarem que o arrebatamento está cada vez mais próximo.

Na aula seguinte falaremos dos textos escatológicos do Novo Testamento



























Seminário de Escatologia
Parte V
Análise de textos escatológicos
Aula nº 2
A escatologia no Novo Testamento


I- Introdução:
Nesta aula estaremos estudando sobre os textos escatológicos encontrados no Novo testamento.
É importante saber que no Novo Testamento o mistério da Igreja (o corpo invisível de Cristo) nos é revelado. De forma diferente do Antigo Testamento, cujos textos proféticos tinham como alvo principal a nação de Israel, o Novo Testamento desloca o foco para a Igreja.
O rei anunciado pelos profetas veio para Israel (João 1.11), entretanto, conforme a própria profecia havia predito, o Messias foi rejeitado pela nação.
A vinda do Messias, o seu nascimento, a sua obra, morte e ressurreição, estão relatadas, em especial, nos Evangelhos.
O evangelho segundo Mateus foi endereçado aos judeus, por isso freqüentemente observamos citações das profecias, para mostrar aos judeus que Jesus era o Messias prometido pelas Escrituras.
Observação: Marcos escreveu tendo como alvo os romanos e Lucas os gregos; quanto ao apóstolo João, este procurou mostrar à todos os homens a divindade de Cristo e a sua maravilhosa graça. (ver João 20.30,31)
Após a morte, ressurreição e assunção de Jesus aos céus, encontramos a história da Igreja escrita no livro de Atos dos Apóstolos; neste livro vemos o início da Igreja e a expansão do Evangelho.
A doutrina para a Igreja se encontra nas epístolas escritas por Paulo, Tiago (irmão do Senhor), Pedro, Judas (também irmão do Senhor) e João; sendo que o maior conjunto é o das epístolas paulinas. O livro de Hebreus é anônimo.
O Apocalipse é o livro essencialmente escatológico do Novo Testamento.
Nosso objetivo neste estudo não é o de analisar todos os textos escatológicos, mas sim de localizar os principais e fazer um breve comentário dos mesmos.

II- Alguns textos encontrados nos Evangelhos
Dentre os textos encontrados nos Evangelhos, podemos citar:

A)- As parábolas do reino Mt 13.1-50
Esta seqüência de parábolas mostra claramente o sucesso da Evangelização, bem como as fases da Igreja e o curso do presente século, que culminará com juízo final. Alguns estudiosos relacionam estas sete parábolas as sete Igrejas encontradas em Ap 2 e 3. Vejamos...
As sete parábolas do reino Mt 13.1-50:

1ª)- 1-23 (18-23)- A semeadura - A Evangelização; pregação da Palavra de Deus. Jesus disse que haveria uma semeadura da Palavra de Deus.
Perceba que, mesmo com a maioria não aceitando verdadeiramente o Evangelho, a Palavra de Deus seria anunciada e recebida. O sucesso da Evangelização é mostrado pelos frutos na vida de quem o recebe.
Enquanto a palavra semente em Mateus é traduzida da palavra grega “sperma” a palavra semente em Lucas 8.11 é traduzida da palavra grega “sporos”, mostrando que a semente tanto é a Palavra quanto àqueles que a levam.
2ª)- 24-30- A falsa semente – Doutrinas falsas
Ao mesmo tempo em que a Verdade é semeada, Jesus afirma que o inimigo semearia a mentira. Esta semente falsa é contrária a semente da parábola anterior.
Se os responsáveis por cuidar do campo não houvessem dormido, teriam impedido a mistura da mentira.
3ª)- 31,32- Os falsos crentes
O Senhor disse que a Igreja professante (ou seja, os membros que se declaram crentes) cresceria rapidamente, mas dentro dela estão abrigados os falsos cristãos.
A árvore da parábola é a igreja, as aves são os filhos do maligno. Repare que na primeira parábola estas aves “comem” a semente, não no sentido de aceitar a Palavra ou guardá-la no coração, mas sim no sentido de impedirem que caíssem no coração do homem. Estes falsos crentes fazem oposição a Verdade.
4ª)- 33- A contaminação; corrupção.
Agora vemos a igreja apóstata, totalmente contaminada pelo pecado.
Fermento = pecado
Mesmo com a corrupção doutrinária interna, o Senhor guardará para si o seu povo, conforme observamos nas parábolas seguintes.
5ª e 6ª)- 44-46- A preservação e salvação da Igreja verdadeira.
Não obstante toda apostasia, o Senhor Jesus deu a sua vida por nós e isso nos garante a salvação. No meio de toda corrupção existe uma Igreja verdadeira.
Deus, pela sua soberania e onisciência, já nos conhecia de antemão.
A parábola do tesouro escondido mostra que o campo (mundo) foi comprado pelo homem (Jesus), o qual pagou caríssimo preço por ele. Jesus deu a sua vida pelo mundo (João 3.16), pois sabia que nele havia um tesouro escondido. Este tesouro somos nós; a Igreja invisível, os eleitos de Deus.
A Igreja verdadeira também é comparada com uma pérola de grande valor, e, apesar de toda corrupção existente no meio dos que se declaram crentes, será preservada pelo Senhor; visto que foi comprada por alto preço, ela pertence ao seu Senhor. Esta Igreja verdadeira cresceu; não instantaneamente como a massa fermentada, mas aos poucos foi formada, tal qual uma pérola preciosa.
Esta pérola é um ornamento precioso para Cristo.
7ª)-47-50- A separação dos justos e injustos
Estes versículos avançam até o fim e mostram que Deus dará tratamento diferente para os justos e os injustos.
Somente reinarão com Cristo aqueles que lhe pertencem.
O mar é o mundo. Deus separará o seu povo.

B)-  O sermão profético de Jesus Mt 24 e 25
Outro texto bastante conhecido é o sermão profético encontrado em Mateus 24.1- 25.46 e também em Mc 13.1-37 e Lc 21. 5-36.
Irei me basear no texto de Mateus.

Mt 24 - Para entendermos esta passagem, precisamos atentar para a observação feita pelo Senhor à respeito do templo (1,2) e observarmos as três perguntas feitas pelos discípulos ao Senhor no v3. Estas perguntas se referiam à Israel, logo, as respostas dizem respeito aos judeus.
Os vs de 3 a 14 falam do período da tribulação. O Evangelho mencionado no v.14 é o do reino.
Nos versículos seguintes (15-28), Jesus se concentra na segunda metade da tribulação, quando o Anticristo quebrará o pacto com Israel.
Estes versículos (Mt 24.3-28) correspondem a boa parte do Apocalipse (6-18.24).
Depois dos sete anos, Jesus retornará (29,30) e haverá o juízo das nações (31). Ver Ap 19.11-21; 20.4.
Nos versículos 32 a 44 de Mt 24; Jesus exorta à vigilância.
Muito provavelmente a figueira de Mt 24.32 seja Israel.
Apesar de o discurso falar do que acontecerá com Israel, somos também exortados a vigiar. A Igreja não passará pela tribulação, mas presenciará o cenário sendo montado.
45-51- Exortação à fidelidade

Mt 25 - A parábola das dez virgens (vs. 1-13), igualmente é uma exortação a vigilância. O azeite é o símbolo do Espírito Santo.
Devemos vigiar também quanto aos talentos que nos foram concedidos (vs. 14-30).
Juízo das nações; a separação entre ovelhas e bodes. (vs. 31-46). Somente as ovelhas entrarão no milênio. Este texto localiza-se cronologicamente em relação ao Apocalipse, ao período de Ap 20.4; para que o milênio possa começar, é necessário separar as ovelhas dos bodes (juízo das nações).
Conclusão - O sermão profético fala sobre o que ocorrerá com Israel, mas serve de alerta para a Igreja. Ao analisarmos cuidadosamente o texto, percebemos que o arrebatamento está mais próximo do que possamos imaginar. Devemos vigiar!

III- Outros textos
Sobre...

a)-O futuro de Israel – Romanos 9 a 11 (*11.25-27).
A restauração final de Israel acontecerá após a tribulação.
Primeiro chegará a plenitude dos gentios, ou seja, quando o tempo de salvação para os gentios se encerrar com a conversão do último crente, a Igreja será arrebatada e terá início a tribulação. Durante a tribulação Israel será purificado.

b)-A ressurreição dos crentes -  I Coríntios 15 (20-24, 35-58)
Este capítulo fala sobre a ressurreição; sua ordem (primeiro Cristo, depois os salvos) e como será.
A trombeta de I Co 15.52, não é a mesma do Apocalipse. Trata-se do toque de reunir pra a Igreja. É a trombeta do arrebatamento.
Obs: A primeira ressurreição começou com Jesus, continuará no Arrebatamento (localizar em Ap 4.1) com a ressurreição dos salvos e será completada com a ressurreição dos mártires da tribulação. Localizar em Ap 20.4.

c)-Arrebatamento I Ts 4. 13-18
Este é um clássico texto sobre o arrebatamento, talvez o mais conhecido. Apesar de pequeno, contém ricos detalhes. Por exemplo: O texto mostra que o nosso encontro com o Senhor será nos ares (4.17).
O arrebatamento corresponde ao capítulo 4.1 do Apocalipse.

d)-Anticristo II Ts 2.1-12
Outro texto riquíssimo em detalhes...
O Anticristo levantar-se-á contra toda forma de culto, visto que ele procurará ser adorado (4).
Para que o Anticristo se manifeste, é necessário que a Igreja seja antes arrebatada (6,7).
Jesus, na ocasião da sua vinda gloriosa, derrotará o Anticristo (8).
O Anticristo será possuído pelo Diabo (9)
Deus permite a operação do erro porque os homens não querem a verdade (10-12).
A manifestação do Anticristo corresponde a Ap 6.1.
A vinda de Jesus e a derrota do Anticristo estão descritas em Ap 19.11-21.

e)-Apostasia I Tm 4.1

f)-A qualidade dos que se dizem crentes no final dos tempos II Tm 3.1-9

g)-O surgimento dos falsos mestres II Tm 4.1-4; II Pe 2.1-3

Os itens e, f e g. correspondem ao período da Igreja de Laodicéia.
Ver  Ap 3.1-22.

h)-A volta de Jesus  e a futura condenação dos falsos mestres Jd 1.14
Podemos perceber que a vinda gloriosa de Cristo já havia sido profetizada por Enoque; entretanto, o mais importante desta pequena epístola é notarmos a condenação reservada para todos os que ensinam o erro.
A vinda gloriosa corresponde a Ap 19.11-16. A condenação dos ímpios está escrita em Ap 20.11-15.

Amados; encerramos aqui a análise de alguns dos mais importantes textos escatológicos do Novo Testamento. Espero que, com as informações desta aula, os irmãos tenham aprendido em que época os textos se localizam, bem como compara-los com outros textos escatológicos, em especial, o livro do Apocalipse.

Esta aula também encerra a quinta e última parte do Seminário de Escatologia.























Seminário de Escatologia
Parte V
Análise de textos escatológicos
Conclusão


O estudo que você acabou de ter, de forma alguma teve a pretensão de ser exaustivo, ou seja, ainda há muito mais que ser explorado, entretanto, creio que, com as informações recebidas nestas duas aulas, o leitor que ama a Palavra de Deus, obteve importantes informações que o capacitarão a identificar com maior facilidade outros textos escatológicos, bem como detectar a localização dos mesmos dentro do curso do presente século até a eternidade futura.
O estudo também deu uma base para melhor interpretar os textos escatológicos mais conhecidos, tanto do Antigo como também do Novo Testamento.
Amados, com o encerramento desta última fase, encerramos também o nosso seminário de escatologia.
Espero que as informações e o conhecimento adquirido ao longo destes dois anos de curso seja uma benção para a vida dos leitores; bem como uma ferramenta para que possam ministrar também a outros, além de edificação, consolo e ânimo para vossas almas.
Sinto-me bastante gratificado com a conclusão deste curso e muitíssimo grato ao meu Senhor, porque ele me sustentou durante todo este período apesar das minhas limitações e lutas que passei.

Que Deus abençoe a todos!

A maravilhosa graça do Senhor Jesus seja com todos os que o amam e aguardam a sua vinda. Amém!























Seminário de Escatologia
Parte V
Análise de textos escatológicos
Bibliografia


1)Arrington, French L./ Stronstad, Roger; Comentário Bíblico Pentecostal- Novo Testamento-CPAD.

2)Bíblia online- módulo avançado- recursos do dicionário de Almeida e Strong.

3)Bíblia de Estudos Pentecostal- online- CPAD.   

4)Bueno, Francisco da Silveira; Dicionário Escolar Da Língua Portuguesa-Ministério da Educação- 11ª edição-1992, Biblioteca Nacional-FAE.

5)Champlin; Russel N., O Antigo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, vol 7, Ed Hagnos. 

6)Davidson, F. ; O Novo Comentário da Bíblia- Ed 1 vol- Editora Vida Nova.

7)Douglas, J.D. ; O Novo Dicionário da Bíblia-Ed 1 vol- Editora Vida Nova. 

8)Mcnair;S.E., A Bíblia Explicada, CPAD.

9)Thompson, Frank Charles: Bíblia Sagrada- / Traduzida por Almeida, João Ferreira de- Edição contemporânea – Editora Vida.

10)Traduções da Bíblia Sagrada: Almeida Revista e Atualizada (ARA); Almeida Revista e Corrigida (ARC); Almeida Contemporânea (AC); Almeida Corrigida Fiel (ACF); Bíblia na Linguagem de Hoje (BLH) e Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH)


Nenhum comentário:

Postar um comentário